Arquivo para a Tag ‘Ciência e Tecnologia

Vale a pena assistir este vídeo que nos fala do trajeto da Ótica na Pintura e Fotografia…   Leave a comment

Anúncios

Publicado 28/01/2015 por Isabella Carnevalle em Não categorizado

Etiquetado com , , ,

Um caminho pela História da fotografia   Leave a comment

Back in 2012, the George Eastman House released a series of six videos showing six photo processes used in the history of photography. This month, the museum re-released those six videos alongside six new ones. It’s a video series that now spans 12 videos showing major processes spanning from the Daguerreotype all the way up through digital photography.

The discovery of these processes have forever changed our understanding of time. For the first time in history we could see what our ancestors looked like. Take a look behind the scenes into our world class photograph collection from within our vaults.

Here are the twelve videos in the series:

1: Before Photography

From the ancient discovery of the camera obscura to the 18th century mechanical devices used to create silhouettes such as the physionotrace, this initial chapter explores the inventions and inventors that preceded photography. It recreates the experiments of Johann Schulze who proved the light sensitivity of certain silver salts and Thomas Wedgwood’s early attempts to make photographic images. These early pioneers contributed to the discovery of photography in 1839.

2: The Daguerreotype

The first commercially successful photographic process was announced in 1839, the result of over a decade of experimentation by Louis Daguerre and Nicéphore Niépce. Unfortunately, Niépce died before the daguerreotype process was realized, and is best known for his invention of the heliograph, the process by which the “first photograph” was made in 1826. Daguerreotypes are sharply defined, highly reflective, one-of-a-kind photographs on silver-coated copper plates, usually packaged behind glass and kept in protective cases. The daguerreotype process is demonstrated in this chapter.

3: Talbot’s Processes

Working in England, at the same time as Daguerre, William Henry Fox Talbot is best known for the invention of the negative/positive photographic process that became the standard way of making photographs in the 19th and 20th centuries. His early processes of the photogenic drawing, salted paper print and calotype negative are demonstrated in this chapter.

4: The Cyanotype

Sir John Herschel invented the cyanotype in 1842. The process depends on the photochemical reduction of ferric salts into ferrous salts leading to the formation of Prussian blue, an iron-based pigment. The process was used sporadically throughout the 19th century and more frequently in the twentieth century for the reproduction of architectural plans and technical drawings, called “blueprints.”

5: The Collodion

Introduced in 1851, by Frederick Scott Archer, the wet collodion process was a fairly simple, if somewhat cumbersome photographic process. A 2% solution of collodion, bearing a very small percentage of potassium iodide, was poured over a plate of glass, leaving a thin, clear film containing the halide. The plate was then placed in a solution of silver nitrate. When removed from the silver, the collodion film contained a translucent yellow compound of light-sensitive silver iodide. The plate was exposed still wet and then developed by inspection under red light. Once the plate was washed and dried, it was coated with a protective varnish. The collodion process replaced the daguerreotype as the predominant photographic process by the end of the 1850’s. It was eventually replaced in the 1880’s with the introduction of the gelatin silver process.

6: The Albumen Print

The albumen silver print, invented in 1850, was the most popular photographic printing process of the 19th century. To make albumen silver prints, a sheet of paper is coated with albumen (egg white) and salts, then sensitized with a solution of silver nitrate. The paper is exposed in contact with a negative and printed out, which means that the image is created solely by the action of light on the sensitized paper without any chemical development. Because the paper is coated with albumen, the silver image is suspended on the surface of the paper rather than absorbed into the paper fibers. The result is a sharp image with fine detail on a smooth, glossy surface.

7: The Platinum Print

Platinum prints are characterized by their delicate surface and subtle tonal gradations. They are made by sensitizing paper with iron salts and exposing the paper in contact with a negative until a faint image has formed. The paper is then chemically developed in a process that replaces the iron salts with platinum and intensifies the image. Platinum prints were popular with art photographers around the turn of the twentieth century, but when World War I caused the price of platinum to rise, palladium (a related metallic element) was introduced as a more affordable substitute.

8: The Pigment Processes

Carbon prints and gum bichromate prints are both examples of pigment processes. Rather than the metal salts typically used in the formation of photographic images, pigments and bichromated colloids are used in making these prints. A bichromated colloid is a viscous substance such as gelatin or albumen that is made light-sensitive by the addition of a bichromate. Bichromated colloids harden when exposed to light and become insoluble in water; this is the principle behind many of the non-silver-based photographic processes. Pigment processes were developed in the 1850s and offer superior permanence and control of the appearance of the final print. The resulting prints are characterized by broad tones and soft detail, sometimes resembling paintings or drawings.

9: The Woodburytype

Woodburytypes are distinguished from other photomechanical processes by the fact that they are continuous-tone images. The process involves exposing unpigmented bichromated gelatin in contact with a negative. The gelatin hardens in proportion to the amount of light received. When the gelatin is washed, the unexposed portion dissolves, leaving behind a relief of the image. Under extremely high pressure, this relief is pressed into a sheet of soft lead, producing a mold of the image. This mold is then filled with pigmented gelatin and transferred to paper during printing. The process was invented in 1864 by Walter Woodbury and achieved acclaim for its exquisite rendering of pictorial detail and its permanency.

10: The Gelatin Silver Process

The gelatin silver process was introduced at the end of the nineteenth century and dominated black-and-white photography in the twentieth century. The paper or film used to make gelatin silver prints and negatives is coated with an emulsion that contains gelatin and silver salts. Gelatin silver prints and negatives are developed out rather than printed out, which means that exposure to light registers a latent image that becomes visible only when developed in a chemical bath. This process requires shorter printing times than earlier printed-out processes such as salted paper prints and albumen prints. George Eastman’s introduction of flexible roll film and the Brownie camera revolutionized photographic practice and industry, putting photography into the hands of the masses for the first time. This process is responsible for all the black and white, color and motion pictures produced in the 20th century with analog materials.

11: Color Photography

Kodak engineer Steven Sasson invented the digital camera in 1975. Within 25 years the technology would overtake analog film materials and dominate the photographic industry and practice. This chapter features a timeline of digital camera technology starting with Steven Sasson’s first completely digital camera prototype and takes us all the way to the smart phones of today.

fonte: http://petapixel.com/2014/12/14/video-series-walks-major-photographic-processes-used-throughout-history/

O filme Criação, Darwin e a fotografia   Leave a comment

Assisti ao filme Criação – Creation – e gostei um monte.

Um dos motivos é que ele nos situa nos pensamentos e conflitos na época em que Darwin refletia sobre nossa origem.

O outro motivo, não menos importante, e ainda por cima “mágico”, é que já nas cenas iniciais Criação nos remete aos retratos feitos com daguerreotipos. Adoro quando de alguma forma vivencio fatos na história do tempo…

E pegando o “gancho”, tem um texto do Ronaldo Entler sobre o filme, em que ele faz links interessantes sobre a fotografia e Darwin.

Sugiro os dois, vejam o filme e leiam o texto; ou leiam o texto e vejam o filme. Aqui a ordem dos produtos não altera o resultado.

Bom Mergulho!

Darwin e a fotografia

“Neste fim de semana, assisti ao filme “Creation” (2009), recorte da biografia de Charles Darwin centrado nas dificuldades que enfrentou quando finalizava A origem das espécies (1859). Vemos ali um personagem debilitado por uma doença desconhecida, atormentado pela morte de uma filha, e em conflito com os valores cristãos de sua comunidade e de sua família.

Numa das primeiras cenas, sua filha Annie está num estúdio se preparando para ser fotografada. Darwin lhe explica como funciona a técnica. Enquanto o fotógrafo tenta fotografar a menina, ela parece mais interessada nas aventuras que seu pai lhe conta.

Imagino que a fotografia apareça ali como emblema das inovações técnicas que, ao lado da teoria de Darwin, impactaram o século XIX (ainda que, para a pequena Annie, essa novidade esteja ofuscada pelas histórias fantásticas que seu pai lhe conta).

Especulações à parte, a fotografia teve uma presença importante numa pesquisa posterior de Darwin, que resultou em A expressão das emoções no homem e nos animais (1872). Encontrei uma versão digitalizada da primeira edição desse livro, e vi que ele traz um número razoável de referências a trabalhos fotográficos, sobretudo feitos por cientistas. Podemos ler já nos agradecimentos:

Fotos cedidas por Herr Kindermann para "A expressão das emoções".

“Eu tenho o prazer de expressar meus agradecimentos ao Sr. Rejlander pela disposição de fotografar para mim várias expressões e gestos. Agradeço também ao Sr. Kindermann, de Hamburgo, pela cessão de alguns excelentes negativos de crianças chorando, e ao Dr. Wallich, por um outro encantador, de uma menina sorridente. Já expressei meu agradecimentos ao Dr. Duchenne, que generosamente me permitiu ter algumas de suas grandes fotografias reproduzidas e reduzidas. Todas estas fotografias foram impressas pelo processo da Heliotipia, que garante a precisão das reproduções.”

Imagem cedida por Duchenne de Bologne.

O livro traz longos comentários sobre a pesquisa de Duchenne de Boulogne, que hoje nos parece um tanto lunático e perverso, dando choques no rosto de pacientes da Salpêtrière, diante da camera de Adrien Tournachon, irmão de Nadar. Mas Darwin mesmo explica a importância desse trabalho na compreensão do funcionamento dos músculos faciais.

Oscar G. Rejlander, Autorretrato.

Também foi uma surpresa ver que nas referidas imagens de autoria de Oscar Gustave Rejlander, o próprio fotógrafo aparece encenando as “emoções”, provavelmente, pautado diretamente por Darwin.

Darwin, por Julia M. Cameron, 1868.

Conhecemos o belo retrato de Darwin feito por Julia Margaret Cameron, e encontramos registros de duas cartas trocadas com Lewis Carroll, em que agradece o envio de fotografias, provavelmente para a pesquisa sobre as “Expressões”. Darwin, como outros cientistas e intelectuais, certamente mantinha boas relações com esses fotógrafos e artistas da Era Vitoriana.

Para encerrar, uma curiosidade, mesmo que não explique muito sobre a relação de Darwin com a fotografia: vi que a mãe de Darwin se chamava Susannah Wedgwood. Não foi difícil verificar que se trata da irmã de Thomas Wedgwood, pioneiro nas pesquisas que antecedem a descoberta da fotografia no século XIX, autor do artigo “Descrição para de um método para copiar pinturas sobre cristal e para criar perfis por meio da luz sobre nitrato de prata” (1802).

Aproveitei o entusiasmo para comprar um livro que encontrei na Amazon: Darwin’s Camera: Art and Photography in the Theory of Evolution, que deve demorar algumas semanas para chegar. Se houver grandes novidades, complementarei o post.

Infelizmente, o fime Creation teve uma passagem efêmera pelas salas de cinema brasileiras, em março deste ano.

Texto e seleção de imagens de Ronaldo Entler, em 17/10/2010

Fonte: http://www.iconica.com.br/category_name=historia-da-fotografia

Quartos com Vista   Leave a comment

 

 

 

A câmara escura do fotógrafo Abelardo Morell

transforma aposentos sombrios

em paisagens mágicas.

 

Por Tom O’Neill
Foto de Abelardo Morell

Duplicando a realidade, a fantasmagórica imagem invertida de uma lâmpada surge no interior de uma caixa de vinhos transformada em câmera buraco-de-agulha. Nesta foto clássica, Morell demonstra como se forma a imagem na câmara escura. "LÂMPADA", 1991

Algo estranho e maravilhoso ocorre quando a luz penetra um espaço escuro através de um minúsculo orifício. Aristóteles já conhecia o fenômeno no século 4 a.C. Na Itália renascentista, Leonardo da Vinci descreveu o processo. Mesmo em 1988, essa técnica causou forte impressão em uma sala de aula em Boston, no estado americano de Massachusetts. Ao preparar um curso introdutório de fotografia, o professor de origem cubana Abelardo Morell decidiu recriar esse método antiquado. Em um dia ensolarado, ele cobriu as janelas da sala com plástico preto, tornando o aposento tão escuro quanto uma caverna. Depois, abriu um buraco do tamanho de uma moeda pequena no material, e disse aos alunos que prestassem atenção. Quase que de um momento para outro, a parede no fundo da sala animou-se como tela de cinema com sua superfície tomada por uma imagem desfocada das pessoas e dos carros que passavam pela avenida Huntington, em frente à escola. A imagem estava de cabeça para baixo: o céu junto ao piso e a rua no teto, como se a lei da gravidade tivesse sido revogada.

Morell havia transformado a sala de aula em uma câmara escura, ou camera obscura, o termo em latim que designa aquele que talvez seja o mais antigo dispositivo de geração de imagens – e o antepassado da câmera fotográfica.

Explicar o princípio óptico por trás desse dispositivo talvez seja o que há de mais complicado nele. Uma câmara escura recebe as imagens exatamente como o olho humano – através de um pequeno orifício e de cabeça para baixo. A luz vinda do exterior penetra enviesada pelo orifício, os raios refletidos na parte superior dos objetos, como a copa das árvores, inclinados para baixo, e aqueles situados em um plano inferior, caso das flores, inclinados para cima, com os raios se cruzando no interior do espaço escuro e formando uma imagem invertida. Parece algo milagroso ou um truque de circo, mas é um fenômeno explicável facilmente pela física. No caso de nosso olho, o cérebro corrige de forma automática a posição da imagem; em uma câmera fotográfica, a correção é feita por um espelho.

Uma versão portátil da camera obscura – a câmera no interior de uma caixa e o orifício equipado com uma lente – popularizou-se pela primeiravez no século 17, e foi usada por pintores, como Vermeer e Canaletto, como recurso adicional ao desenho. Os cientistas usaram o dispositivo para observar eclipses solares. Por fim, para capturar a imagem projetada, no início do século 19, os mais inovadores começaram a introduzir chapasmetálicas ou papéis impregnados de produtos químicos no fundo das desajeitadas câmaras escuras – e assim nasceu a arte da fotografia.

Para Morell, o dia na sala de aula foi uma revelação. “Quando vi como esses estudantes, acostumados a usar máquinas avançadas, ficaram encantados com a imagem na parede, soube que estava diante de algo muito poderoso.”

Seu projeto inicial, concebido como mais um recurso didático, foi registrar com fotos o próprio processo. O resultado foi chamado de Light Bulb (“Lâmpada”), em 1991. Morell ilustrou o funcionamento de uma câmera buraco-de-agulha mostrando, com a elegância de uma natureza-morta holandesa, como se forma a imagem fotográfica.

Em seguida, Morell se propôs a registrar a imagem fantasmagórica formada no interior de um aposento transformado em câmara escura.Foram meses até que ele descobrisse o tamanho exato do orifício para obter o brilho e a nitidez adequados e definisse o melhor tempo de exposição para que os detalhes se destacassem.

O momento de iluminação para Morell foi em sua própria casa, em Quincy, um subúrbio de Boston. Ele instalou uma câmera de formato grande em um tripé no quarto do filho, com a luz externa entrando por um único ponto, e acionou o disparador. Então saiu do quarto e esperou. Por oito horas. A imagem mostrava as árvores e as casas no outro lado da rua invertidas e pairando sobre os brinquedos do menino – uma cena de conto de fadas. “Foi como voltar ao instante em que a fotografia foi inventada”, conta ele.

A partir daquele momento, Morell começou a produzir uma das obras mais cativantes da fotografia contemporânea. Alguns anos atrás, ele passou a explorar a cor, assim como a usar um prisma para corrigir as imagens invertidas.

A troca do filme por um sensor digital, mais sensível à luz, reduziu o tempo de exposição para minutos. Com isso, ele pôde capturar nuvens, sombras e fenômenos atmosféricos passageiros. Agora, trabalha com uma tenda sem piso – uma camera obscura transportável – que pode ser instalada em telhados ou ruas, de modo que as imagens sejam projetadas diretamente no solo – o que confere às fotos uma textura rugosa.

“Meu objetivo é fazer com que as pessoas vejam o mundo de maneira diferente”, diz Morell. Suas imagens, de fato, embaralham as fronteiras entre a realidade e o sonho.

Fonte: http://viajeaqui.abril.com.br/national-geographic/edicao-135/camara-escura-abelardo-morell-628830.shtml?page=0

O Fantástico do Real…   Leave a comment

Ainda não sei como, nem o que, mas certamente assistir a este registro Fantástico do Real está alimentando um novo ensaio em mim… Compartilho a boa provocação com todos!

“Um telescópio gigante chamado VLT, localizado no Deserto do Atacama, no Chile, capta belíssimas imagens do céu quase diariamente. Os cientistas Jose Francisco Salgado e Stephane Guisard, do European Southern Observatory (ESO), pegam essas imagens e, em um trabalho artístico, colocam em série, para dar a idéia de passagem de tempo.”…

publicado às 10:32, 30/05/2011 – ÉPOCA – Blog do Planeta | O meio ambiente que você faz » O balé do planeta Terra » Arquivo

Fonte: http://colunas.epoca.globo.com/planeta/2011/05/30/o-bale-do-planeta-terra/ via Jorge Diehl, em rede social.  

Astronautas fotografam o Por do Sol do espaço   Leave a comment

SÃO PAULO – Os seis astronautas a bordo da Estação Espacial Internacional fotografaram um pôr do Sol na Terra visto do espaço.

Os membros da expedição 27 registraram o momento em que a América do Sul anoitece. A foto foi feita por volta das 19:37, hora local,e foi divulgada na semana passada. (matéria publicada naINFO Online dia 09 de maio de 2011 às 12h36).

Todos os dias os tripulantes vêem, em média, 16 vezes o sol nascer e se por. Como estão desde março no espaço, e só devem descer em setembro, isso significa que terão passado por mais de três mil auroras e crepúsculos.

Para alguém aqui na Terra, seriam necessários quase 10 anos para visualizar os fenômenos tantas vezes.

por Paula Rothman

Fonte: http://info.abril.com.br/noticias/ciencia/por-do-sol-e-fotografado-do-espaco-09052011-16.shl via facebook de Fernando Aznar.

Equipamento…!?   Leave a comment

Certa manhã, na redação da extinta revista Manchete,

seu fundador, Adolpho Bloch,

estava junto à sua equipe de fotógrafos,

vendo umas imagens premiadas pelo mundo.

Um dos fotógrafos comentou:

– Mas também, o sr. tem que ver o equipamento deles!

Só usam máquinas fotográficas de última geração.

Adolph Bloch, então, respondeu:

-Ah, é? Você então acha que a foto tá boa por causa do equipamento?

Foi quando ele, pegando no bolso

a sua caneta Montblanc de ouro, disse:

-Toma! Me escreva então uma linda poesia.

Vale para fotos, vale para fatos, vale para a vida… 

%d blogueiros gostam disto: