Arquivo para a Tag ‘Eustáquio Neves

A fotografia entre experimentações poéticas e proposições políticas   Leave a comment

Ciclo de Fotografia - Olhares Intensos

Ciclo de Fotografia – Olhares Intensos

no Centro de Pesquisa e Formação do SESC São Paulo

Programa

Ciclo dedicado à apresentação de quatro diferentes processos de documentação e experimentação fotográfica, desenvolvidos a partir dos trabalhos de Luiz Braga, Eustáquio Neves, Paula Trope, Barbara Wagner e Benjamin de Burca, que concebem distintas formas de leitura e compreensão da realidade histórica, social e cultural brasileira.

Os encontros buscam proporcionar um diálogo entre proposições visuais e poéticas que marcam produções fotográficas radicalmente singulares e intensas.

Desta forma, o ciclo tem por objetivo colocar em discussão as concepções estéticas e políticas que moldam a definição dos aspectos artísticos e documentais registrados pelos trabalhos destes artistas.

17/07 – Memória do Filme: o Trânsito entre Mídias
Desde o final da década de 1980 Eustáquio Neves pesquisa e desenvolve técnicas alternativas e multidisciplinares, manipulando negativos e cópias. Nos últimos cinco anos têm pesquisado as mídias eletrônicas incluindo a sequência e o movimento. Entre outras linhas de interesse aborda temáticas relativas à identidade e a memória da cultura afrodescendente com trabalhos de corte social e crítico, que muitas vezes nos levam a diversos níveis de leituras. Seu trabalho vem sendo amplamente divulgado em várias mostras no Brasil, exterior e tem recebido prêmios e a consagração do público e da crítica.
Com Eustáquio Neves.

24/7 – Percurso do Olhar
As primeiras exposições de Luiz Braga (1979 e 1980) eram compostas de cenas de dança, nus, arquitetura e retratos. Após essa fase, descobre as cores vibrantes da visualidade popular da Amazônia e viaja pela região aprofundando sua pesquisa sobre as cores do universo da periferia. Sua abordagem passa ao largo das visões estereotipadas e superficiais sobre a região e junto com o domínio da cor o transformaram em referência na fotografia brasileira contemporânea.
Com Luiz Braga.

31/7 – Pequenas Histórias dentro da História
Artista visual com ênfase de atuação em Arte Contemporânea, Paula Trope desde o início da década de 90 desenvolve trabalho experimental no campo da imagem técnica, com cinema, fotografia e vídeo. Em suas pesquisas, assume uma postura crítica em relação à própria câmera e à prática artística, estabelecendo complexas relações entre o meio utilizado e os temas e conteúdos enfocados, considerando as características técnicas, formais e institucionais envolvidas.
Com Paula Trope.

7/8 – Terreiro, Palco, Altar: o corpo e a câmera em “Faz que Vai” (2015), “Estás vendo Coisas” (2016) e “Terremoto Santo” (2017)
Nas três obras mais recentes realizadas pela fotógrafa Bárbara Wagner e o artista Benjamin de Burca, novas formas de trabalho são desempenhadas por jovens dançarinos de Frevo, mc’s de Brega e cantores de Gospel, cujos corpos resultam, eles mesmos, através do esforço investido em suas performances, em imagens e vozes produzidos e reproduzidos dentro de uma economia do espetáculo. Nos três casos, é na combustão laboriosa desses corpos que o desejo se torna moeda de troca numa cultura que privilegia o sucesso individual aqui e agora.
Com Bárbara Wagner e Benjamin de Burca.

As inscrições pela internet podem ser realizadas até um dia antes do início da atividade. Após esse período, caso ainda haja vagas, é possível se inscrever pessoalmente em todas as unidades. Após o início da atividade não é possível realizar inscrição.

Condições especiais de atendimento, como tradução em libras, devem ser informadas por email ou telefone, com até 48 horas de antecedência do início da atividade.
centrodepesquisaeformacao@sescsp.org.br / 11 3254-5600

(Foto: Divulgação)

Palestrantes

Eustáquio Neves

Eustáquio Neves

Fotógrafo e vídeoartista autodidata nascido em Juatuba (MG). Graduou-se em química. Vive e trabalha em Diamantina (MG).
(Foto: Acervo Pessoal)

 

Luiz Braga

Luiz Braga

Nasceu, vive e trabalha em Belém (PA). Graduou-se em Arquitetura. Trabalha com fotografia desde 1975.
(Foto: Elaine Braga)

 

Paula Trope

Paula Trope

Vive e trabalha no Rio de Janeiro (RJ). Mestre em Técnicas e Poéticas em Imagem e Som pela USP e doutoranda em História e Crítica da Arte pela UERJ.
(Foto: Fernanda Magalhães)

 

Bárbara Wagner e Benjamin de Burca

Bárbara Wagner e Benjamin de Burca

Vivem em Recife. Desde 2011, a dupla usa videoensaios, fotopesquisas e entrevistas para abordar temas como a mercantilização das práticas coletivas tradicionais e a folclorização da cultura pop nas economias emergentes.
(Foto: Divulgação)

fonte: https://centrodepesquisaeformacao.sescsp.org.br/atividade/ciclo-de-fotografia-olhares-intensos?nocache=1034174536
Anúncios

Eustáquio Neves e sua série “Memória do filme” nas palavras de Eder Chiodetto   Leave a comment

Eustáquio-Neves

Entre cataclismos, estilhaços e desassossegos

 

O torvelinho de tempos sobrepostos que justapõe a memória errática conflagrada na trama fotográfica, a matéria histórica vista em perspectiva e os abismos dos afetos, são motores que impulsionam a fotografia experimental e visceral do artista Eustáquio Neves.

Com a propriedade de um alquimista que se enclausura no laboratório para transmutar o efeito dos agentes químicos e a intuição do artista que provoca e se farta dos acasos que os caminhos heterodoxos de sua pesquisa propiciam, Eustáquio caminha no sentido de provocar explosões no interior da linguagem.

Nos quase 30 anos que distam as primeiras produções do artista até a série Memória do Filme (2018), presente nesta mostra, percebemos como as estratégias do artista seguem no firme propósito de dotar as imagens de uma intrincada espessura, no lugar de pensá-las como superfície.

Colagem de imagens, inserção de textos, apagamento das fronteiras entre elementos distintos, granulação, tintas, “cicatrizes” resultantes de sucessivas agressões aos originais e vestígios de documentos, por exemplo, promovem uma espécie de cataclismos internos a partir dos quais essas complexas imagens abdicam do relevo em nome de uma profundidade do campo espectral pela qual nossa percepção visual é levada a um percurso quase hipnótico.

Se, como é sabido, toda fotografia é um território que tensiona o tempo ao fazer o passado ressurgir num presente imediato, a obra de Eustáquio parece nos alertar para a falha da promessa do jogo fotográfico em fazer emergir sem fissuras, e de forma insubmissa, esse tempo pretérito cristalizado nas superfícies das fotografias. Suas imagens, portanto, revogam a condição de testemunhas oculares de um determinado evento para se consagrarem como um relicário de tessituras acumuladas na experiência ancestral de um artista que se percebe como um agente histórico do seu tempo.

Na série Objetização do Corpo (1999), em que o artista irá abordar o difícil tema das mulheres escravas que eram abusadas sexualmente pelos seus proprietários, as figuras femininas centrais surgem consteladas por uma miríade de símbolos e vestígios semi-apagados que remontam o imemorial do tempo. O tempo histórico surge dilapidado na representação iconográfica a despeito da dor e dos murmúrios abafados que essas imagens ensejam. Abrandadas por uma luz de natureza tortuosa, a dissipação entre figura e fundo engolfa-se para alastrar-se nos contornos de formas vertiginosas. Metáfora da amnésia social que se arrasta na sociedade e que percebemos na herança maldita da intolerância que o tom da pele negra ainda desperta.

Os fundamentos histórico-sociais que o artista aborda em suas séries, ganham assim uma bem vinda abordagem filosófica e reflexiva. Entre o assombro diante de temas recorrentes como a escravidão, a intolerância, o abuso da mulher, o artista também sintetiza de forma pontual a crise da imagem no mundo contemporâneo. Os jogos do claro-escuro, o embate de texturas que por vezes cintilam o êxtase e em outros momentos anunciam o ocaso das paixões revelando fossos abertos às trevas, convertem-se em estilhaços de tempos revolvidos. Ao organizar os labirintos do plano espesso de suas composições, Eustáquio constrói novas relações simbólicas entre os elementos de sua história pessoal e familiar que alcançam a visão do êxtase no seu mágico laboratório de experimentações.

Memórias são estilhaços que a fotografia tenta em vão restaurar, enquanto o artista sorrateiramente escreve poemas visuais reunindo acasos, desassossegos e os desvãos da matéria orgânica e fotográfica que habita seu território especular.

 

Eder Chiodetto é jornalista, fotógrafo, curador e crítico de fotografia.

fonte: aboutlightbloghttps://aboutlightblog.wordpress.com/2018/04/25/eder-chiodetto-escreve-sobre-memoria-do-filme-de-eustaquio-neves/
%d blogueiros gostam disto: